Interdependência ou morte!

Você sabe a diferença entre independência e interdependência?

Bom, todo mundo sabe o que é dependência, veja o exemplo de um bebê recém nascido, ele é totalmente dependente da sua mãe ou responsável para se alimentar e sobreviver. Na medida que o bebê vai crescendo vai se tornando independente da sua mãe (se bem que em alguns casos duram muito mais que 30 anos).

Quando Don Pedro I gritou no alto da colina “Independência ou morte” foi mais que um grito, foi uma forma de dizer, não seguiremos mais suas regras, ordens, comando, conseguiremos sobreviver sem sermos dependentes de Portugal.

Em se tratando de negócios, se eu declarar independência, quer dizer que eu vou seguir as minhas próprias regras e idéias, conduzirei minha vida tendo minha personalidade como base, não dependerei do fato de os outros gostarem de mim ou de me tratarem bem para reconhecer meu próprio valor. A independência é uma grande conquista,  mas não é suprema. Existem casos de pessoas que por razões egoístas abandonam família, filhos, deixando de lado todas as responsabilidades sociais em nome da independência.

Como diz Stephen R. Covey no seu livro, Os 7 hábitos das pessoas realmente eficazes

“Tentar atingir o máximo de eficácia por intermédio da independência equivale a tentar jogar tênis com um taco de golfe – a ferramenta não é adequada à realidade.”

A interdependência é ter a consciência que é preciso saber usar toda a capacidade mental das outras pessoas para somar a minha, ou seja, se eu sou fisicamente interdependente, eu sou autoconfiante e capaz, mas sei que nós dois juntos podemos fazer muito mais do que nós independente. Nos negócios também, você não precisa saber de tudo e resolver tudo sozinho, é preciso saber trabalhar interdependente e conseguir melhores resultados.

Veja o exemplo de nosso corpo, ele trabalha interdependente e a gente sobrevive, cada orgão funciona  com suas funções mas depende dos outros, o pulmão, o fígado, o coração, se um declarar independência o corpo inteiro entra em colapso e a gente morre.

Eu me especializei em Branding (gestão de marcas) mas reconheço que existem excelentes ilustradores, redatores, jornalistas, fotógrafos, designers, webdesigners, profissionais em naming, programadores e etc. e que juntos podemos desenvolver um projeto de Branding muito melhor.

Hoje em dia, onde cada vez mais ótimos profissionais não precisam mais ficar atrelados a grandes empresas e incorporações sobrevivendo muito bem como freelancers, use isso a seu favor e não tenha medo de gritar – Interdependência ou morte!

Bibliografia usada para escrever esse texto – Os 7 Hábitos das pessoas realmente eficazes – Stephen R. Covey – Editora Best Seller / Franklin Covey

BE/ON

Sou otimista, me formei em Design pela FAAP no início dos anos 90, fiz MBA em Branding, adoro novas tecnologias, geek, rock in roll e não dispenso uma cachaça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *